em , ,

Última colecção de Raf Simons gera críticas

O fascínio pelo mundo da droga não é algo novo, e desde sempre esteve ligado à moda. A possibilidade de alienação da realidade, a cultura do hedonismo e a obsessão juvenil por experimentação e aventura são exemplos de narrativas ligadas à moda, retratadas em passerelle ou mesmo presentes na indústria.

A última colecção de Raf Simons, apresentada na semana da moda da Nova Iorque está a dar que falar, pelas referências ao mundo dos narcóticos como parte integrante da vivência juvenil. Intitulada Youth in Motion, a colecção possui referências explícitas a drogas e personalidades a ela associadas e foi apresentada numa passerelle decorada como se de um banquete se tratasse, onde comida e vinho tinto em abundância abriam caminho para o desfile. Formas desconstruídas, cores “farmacêuticas” , a palavra “drugs” estampada frontalmente e, aquela que é talvez a referência mais controversa da colecção, a imagem de Christiane F numa t-shirt, fizeram desta colecção uma das comentadas da NYFW.

Para quem não se recorda, Christiane F. foi a personagem principal do célebre livro “Filhos da Droga” (título português), que originou, em 1981, o filme Christiane F: Wir Kinder vom Bahnhof Zoo (um testemunho inebriante e cru da droga nos anos 70, que recomendo vivamente).  Esta história, passada em Berlin, retrata a biografia de Christiane, e a sua espiral descendente no mundo das drogas, que a conduz à dependência de heroína, prostituição infantil, forte dependência e mesmo morte de muitos seus amigos. A referência explícita a esta história verídica, sob o título “inspirador” da colecção, estão a gerar críticas ao designer, acusado de glorificar a cultura da decadência.

Toda a envolvência do desfile, a meu haver, é um retrato intrigante deste mundo, e não uma celebração do mesmo. A comida e bebida em excesso presentes como pano de fundo, contrastantes com as peças desconstruídas e referências a histórias de vida relevantes mostram um paradoxo de riqueza e destruição, de contradição entre celebração e auto-destruição, que é precisamente o que são as drogas, em particular nas décadas em que viveu Christiane F. A história desta jovem, é a história de mais uma adolescente, que como muitas, quer experimentar coisas novas e afirmar a sua personalidade, sem pensar nas consequências numa era onde a juventude se tornava cada vez mais importante e relevante socialmente. É claro que uma polemicazinha nunca fez mal a ninguém, sobretudo quando falamos de um evento onde outros tantos designers mostram o seu trabalho, que é acompanhado em todo o mundo e partilhado à velocidade Instagram-luz, mas se bem analisada, a mensagem é poderosa, direta e extremamente interessante, e mais do que uma glorificação do errado, é uma forte mensagem acerca do real.

Qual a sua opinião?

1000 points
Upvote Downvote

Total votes: 0

Upvotes: 0

Upvotes percentage: 0.000000%

Downvotes: 0

Downvotes percentage: 0.000000%

Escrito por Sofia Craveiro

Fashion lover, branding maniac and a sushi addict.
Adoro estudar moda e compreender o seu impacto nas pessoas e sociedade. A minha meta é transmitir factos, sob a minha perspetiva, que te façam pensar e questionar o que está a acontecer e porquê no mundo da moda.
Espero que além de te fazer pensar, te faça passar um bom bocado :)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Melhores Séries da Netflix

Tendências calçado Verão 2018